Buscar  
Política

Publicada em 05/03/18 às 11:52h - 126 visualizações
Voltar Debate sobre armas projeta Bolsonaro e racha presidenciáveis

Sertão Notícias


Na semana em que divulgava as canções "Apelido Carinhoso" e "Homem de Família", Gusttavo Lima postou no Instagram uma foto com fuzil em mãos. Uma "tarde no clube do tiro", dizia na mesma legenda em que o sertanejo declarou seu apoio ao pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro.

Lima defende armar "cidadãos de bem", como Bolsonaro  afirma sempre que pode. Em passagem recente pelo Japão, ele sugeriu que mulheres tenham "uma pistola em casa" em vez de contar com "aquela palhaçada da Lei do Feminicídio". "Se a mulher tiver uma arma em casa, [o vagabundo] não vai fazer besteira."

Filho do presidenciável e deputado como ele, Eduardo Bolsonaro publicou uma imagem da funkeira Jojô Toddynho e o emote de uma carinha chorando de rir: "Nesse momento Gusttavo só pensa numa coisa!" Jojô é famosa pelo hit "Que Tiro Foi Esse?".

O sertanejo foi bombardeado por críticas e elogios no post visto por 1 milhão de seguidores. Nele, posa num estande na Flórida, Estado onde dias antes um jovem fuzilou 17 pessoas em sua ex-escola. 

Tanto esse episódio quanto a intervenção federal no Rio, açoitado por uma crise na segurança pública, vêm sendo usados por grupos de direita para reviver a polêmica do armamento no Brasil. Por pressão da bancada da bala, a Câmara pode destravar uma votação — há anos emperrada — por mudanças que enfraquecem o Estatuto do Desarmamento, sancionado no primeiro ano do governo Lula.

O tema divide a população, como revelou pesquisa Datafolha feita em novembro com 2.765 entrevistados em 192 cidades. Do total, 56% responderam que "a posse deve ser proibida, pois representa ameaça à vida de outras pessoas", e 42% disseram que "possuir uma arma legalizada deveria ser um direito do cidadão para se defender" (2% não souberam opinar).

O assunto racha também os pré-candidatos ao Planalto. Os favoráveis à revisão do Estatuto vão do centro à direita no leque político, como Bolsonaro (que se filiará ao PSL), João Amoedo (Novo) e Alvaro Dias (Podemos).

Exceção: o PCO (Partido da Causa Operária), sigla de extrema-esquerda que, em contraposição "à direita 'pacifista' e à esquerda pequeno-burguesa", diz que, na "ótica revolucionária, o direito de se armar é a necessidade de se defender justamente do Estado".

De doutrina liberal, Amoedo se diz contra o Estatuto "em respeito às liberdades individuais". "Não é razoável o que temos: a assimetria criada por uma lei que desarma o cidadão de bem, mas deixa as armas nas mãos do assassino. O Estado incapaz de nos defender dos 60 mil homicídios anuais não pode acabar com os meios da legítima defesa."

Para o senador Alvaro Dias, flexibilizar também é a resposta. "Entendo que cabe ao Estado oferecer segurança à sociedade. Afinal, pagamos impostos. Mas isso não nos impede de oferecer ao cidadão a liberdade de decidir sobre o porte."

Quem é contra a ideia questiona: se é a preocupação com segurança pública que alimenta esse debate, qual a eficiência de armar civis? Geraldo Alckmin (PSDB) afirma que "a luta contra o crime deve ser feita por uma polícia treinada, moderna e valorizada". "O Brasil já tem uma legislação restritiva sobre porte de armas. Não se trata de restringi-la nem flexibilizá-la."

Na mesma toada vai Ciro Gomes (PDT): "Segurança pública não se resolve armando toda a população. Se resolve com investimento em inteligência, polícia bem treinada, bem paga e, acima de tudo, políticas publicas de educação, saúde, cultura e lazer para não deixar a juventude ser aliciada pelo crime".

Prestes a se filiar ao PSOL, Guilherme Boulos diz que mais munição nas ruas "vai apenas criar uma falsa sensação de segurança e ampliar os crimes de ódio. Imaginem se cada intolerante que esbraveja e ataca nas redes sociais tivesse uma arma?".

Para Manuela D'Ávila (PC do B), "quando as pessoas estão armadas, está comprovado que as mulheres são as maiores vítimas da violência". 

Presidente da Câmara e potencial presidenciável do DEM, Rodrigo Maia advoga pelo aumento de rigidez do porte em alguns pontos, como "idade mínima de 25 anos, cinco anos sem nenhuma ocorrência policial desabonadora de conduta e exame psicotécnico mais amplo testando o equivalente emocional".

Procurados pela Folha, Henrique Meirelles (PSD) e Fernando Collor (PTC) não responderam. Lula (PT) e Marna Silva (Rede) idem, mas ambos têm posições conhecidas sobre o tema: o ex-presidente, afinal, sancionou o Estatuto, e a ex-senadora, em 2016,  declarou que, se exitosas, as tentativas de flexibilizar a legislação no Congresso seriam um "retrocesso de dimensões trágicas".

CNBB na mira: Por lamentar "que se apresentem soluções para superar a violência recorrendo a mais violência", o cardeal Sérgio da Rocha, presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), entrou na mira de grupos evangélicos e de direita.

Eles acusam o braço do Vaticano no país de desestimular católicos a votar em Bolsonaro após Rocha dizer que a CNBB rejeitará "candidatos que promovam ainda mais a violência", no lançamento da Campanha da Fraternidade 2018, em fevereiro.

"Historicamente alinhada a partidos de esquerda e movimentos como MST, a postura da CNBB não surpreende", disse o portal Gospel Prime. À reportagem Rocha negou que sua fala carregasse com indiretas eleitorais. "A CNBB não se pronuncia sobre candidatos/partidos. A Igreja no Brasil oferece critérios para discernimento sem substituir a consciência do eleitor."

Lobby: "O Estatuto do Desarmamento está sob ataque do lobby pró-armas desde que virou lei", diz Robert Muggah, especialista em segurança e desenvolvimento e coordenador de pesquisas do Instituto Igarapé.

São mosqueteiros da ideia de que a legislação "falou em promover segurança pública no Brasil". Estão errados, segundo Muggah. "Para cada 1% de aumento do armamento em circulação no país, há uma projeção de 2% de alta nos homicídios."

Diretor-executivo do Instituto Sou da Paz, Ivan Marques aponta que o discurso bélico é um ótimo fermento eleitoral. "O que [candidatos armamentistas] estão apostando, no fim das contas, é na potencial popularidade que ganham ao dizer que a gente vai armar o cidadão de bem,  para se venderem como defensores da ordem."

Marques define a tática como "estelionato eleitoral", pois, em sua opinião, não é possível deter a escalada da violência dessa forma. "Imagina um arrastão na linha amarela do Rio. Se cada um dentro dos carros estiver armado, será que vai fazer com que arrastão não aconteça?"   

"Tá todo mundo com medo, tentando achar tábua de salvação no caos da segurança pública. Falar isso acaba sendo maneira de ganhar holofote. Mas o que a gente quer? Ir ao Pão de Açúcar e sair com uma arma, como acontece nos EUA, onde em 15 minutos no Walmart você compra uma?" (Via: Folhapress)




Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

087 9 9805 9627

Redes Sociais


Enquete


Nenhum registro encontrado


Publicidade Lateral
Estatísticas
Visitas: 2813077 Usuários Online: 43
Fan Page

Parceiros


Sertão Noticias.com
Copyright (c) 2018 - Sertão Notícias - Todos os direitos reservados